Sociedade em escritório de arquitetura: como funciona?

81404-sociedade-em-escritorio-de-arquitetura-como-funciona

Para quem deseja montar o seu próprio escritório, muitas vezes a melhor de colocar um projeto em prática é por meio de sociedade, dividindo os ônus e os bônus da empreitada.

Para que tudo aconteça de acordo com o esperado, é essencial ficar atento a questões legais e de convivência para que a sociedade em escritório de arquitetura seja vantajosa.

Se você está passando pelo processo de escolha de um sócio ou acredita que essa é a melhor escolha para o seu caso, continue a leitura e entenda como funciona essa parceria!

Como escolher o meu sócio?

Embora não existam regras específicas para isso, algumas dicas são essenciais e podem ajudar a não ter surpresas desagradáveis no futuro.

Busque pessoas com valores iguais aos seus

Para que o negócio prospere é essencial que os sócios pensem de maneira semelhante em relação a valores, ética, ao que esperam do escritório e a outros quesitos importantes.

Prefira sócios experientes

Ainda que a experiência não seja sinônimo de certeza nos negócios, aqueles com mais “anos de estrada” costumam ser mais compreensíveis e profissionais no dia a dia, o que facilita o trato e a rotina.

Tenha um contrato claro

Independentemente do tipo de sociedade pela qual você optar, é extremamente recomendável ter um contrato dispondo o quanto cada um investiu, as funções e responsabilidades de cada sócio e outros pontos que julgarem relevantes.

Não se esqueça de que o contrato pode ser atualizado a qualquer momento, de acordo com as necessidades atuais do negócio, e também pode contar com uma cláusula explicando como deverá ser desfeita a sociedade caso algum dos sócios assim deseje.

Encontre um profissional que lhe “complete”

Deixe as emoções de lado. Não é porque vocês são parentes ou melhores amigos que a sociedade dará certo. O melhor, na hora de buscar um sócio, é procurar por um profissional que complete as suas aptidões.

Ou seja, se você é um ótimo projetista, mas não tão bom na hora de negociar com os clientes, busque por um profissional que tenha essa característica que lhe falta.

Quais os tipos de sociedade em escritório de arquitetura?

Os tipos de sociedade possíveis para os negócios estão regulamentados no Código Civil brasileiro e, por isso, devem seguir o que rege a lei. Para os escritórios de arquitetura existem dois tipos mais usados:

Sociedade civil de profissão regulamentada

Esse tipo de sociedade somente deve ser feita quando os sócios exercem profissões regulamentadas distintas, como um engenheiro e um arquiteto, um designer de interiores e um arquiteto, um decorador e um arquiteto e assim por diante.

Nessa sociedade o Imposto de Renda é tributável de acordo com as mesmas normas aplicáveis às demais pessoas jurídicas e também é necessário contribuir para a seguridade social (COFINS).

Sociedade Simples de Uniprofissionais

É quando dois ou mais arquitetos constituem uma sociedade. Dependendo do município, existem alguns benefícios fiscais que recaem sobre esse tipo de sociedade, principalmente perante o Imposto Sobre Serviços (ISS) que, em alguns casos, pode ser pago por alíquota fixa em vez de percentual de faturamento.

Além dessas, também existem outros tipos de sociedades previstas no Código Civil, como a sociedade limitada, a sociedade anônima e a sociedade em comandita simples.

Escolher entre esses tipos dependerá do tamanho e da robustez do seu negócio. A comandita simples, por exemplo, é mais indicada quando existe a necessidade de estabelecer níveis de responsabilidade e gerência para os sócios, já a sociedade anônima é recomendada para negócios maiores, pois pode envolver a venda de ações.

O profissional para lhe ajudar nesse sentido é o contador da sua empresa.

Por que devo investir em uma sociedade?

Depois de todas essas explicações, montar um escritório de arquitetura em sociedade lhe parece muito burocrático e complicado? Acredite, apesar disso, existem muitas vantagens em abrir um negócio em parceria, como:

  • divisão de responsabilidades, riscos e dificuldades;
  • maiores possibilidades de investimentos;
  • aumento da chance de novos trabalhos;
  • aprimoramento da atuação e de conhecimentos (principalmente quando a associação se dá com profissionais de ramos correlatos);
  • ampliação do networking;
  • divisão de tarefas.

Gostou de saber mais sobre sociedade em escritório de arquitetura? Está pensando em investir agora no seu próprio negócio? Então não deixe de conferir 6 aspectos burocráticos que você não pode esquecer na hora de abrir um escritório de arquitetura!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *